Sementário da REGA

Sementário da Rede de Grupos de Agroecologia do Brasil

No IV ENGA, realizado em Viçosa, ficou firmada a intenção de realizar um Seminário da REGA. Para tanto, começamos a nos encontrar e percebemos que o que idealizamos não é um Seminário de caráter expositivo, onde as pessoas chegam e um grupo organizador já tenha resolvido tudo. O que queremos é um Sementário, um encontro aonde a micorriza do solo que receberá o evento torne possível o momento ideal para que, com as sementes de todo o Brasil, germine autonomia e proatividade em coletividade.

O sementário tem como foco dar energia à construção da identidade da REGA, pensando em:

  • nossa organização, planejamento e comunicação interna;
  • na articulação com outras entidades e movimentos da agroecologia;
  • organização, articulação e repasses entre as regionais e seus encontros (ERGA’s);
  • traçar metodologias e identidade dos ENGAs.

 

Como acreditamos que não há teoria sem prática – nem prática sem teoria-, apesar do sementário ter um caráter mais teórico, também são realizadas atividades práticas voltadas à autogestão do encontro, como preparo do alimento,  manejo dos resíduos e harmonização do espaço. Além dessas, temos espaços de livre organização, para co-criarmos a programação.

Sendo esse um evento da Rede de Grupos de Agroecologia do Brasil (REGA Brasil), priorizamos que estejam representados o máximo de grupos, estados e regiões do Brasil. Daí surgiu o termo enzima, pois cada grupo deve mandar a sua enzima para catalizar o processo de co-criação da REGA, um ser que irá em nome do grupo. Para isso, é fundamental que os grupos realizem regionalmente pré-sementários, para o adensamento de ideias, e pós-sementários, para a  explanação e difusão dos acúmulos. Como fractais, que a parte seja o todo e o todo seja a parte.

Na mesma pegada da coletividade, pensamos em um caminho: a rede deverá subsidiar o encontro, fornecendo recursos para o deslocamento de cada enzima até o Rio.

Como fazer para que essa rede com composição tão complexa se supra?

Imaginamos que em cada coletivo existem tradições culturais locais e incentivamos que estas sejam aproveitadas. Sugerimos que se façam eventos (e o que mais a criatividade de cada um permitir) para a captação de recursos, necessários ao custeio do transporte, incrementando o caixa da REGA. Algumas sugestões são: festa, música, pizzada, venda de alimentos, produtos locais, mudas, artesanato, camisas, rifas, etc, aproveitando para passar o chapéu durante as festas. Compartilhem o que realizarem com a rede, favorecendo a criatividade coletiva!

Resumindo a ideia… cada grupo faz a captação de recursos em sua região. Se for suficiente para o custeio da passagem da sua enzima, o grupo compra a passagem e o que sobrar vai para a caixinha da REGA, para contribuir com a passagem de outras enzimas. Afinal, a rede é responsabilidade de cada um que a compõe, e o objetivo é tecê-la juntxs. Alguns vêm de longe, outros de perto, e é assim, amanhã será o contrário… o objetivo é que a distância não seja um fator limitante à nossa articulação e possamos tecer essa teia com sabor de Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sul e Sudeste!

Outra iniciativa para viabilizar os deslocamentos em co-operação é a Campanha das Caravanas/Caronas Agroecológicas que são uma dinâmica de mobilização solidária para viabilizar o transporte das pessoas rumo aos espaços e eventos Agroecológicos. A ideia é que entre o ponto de partida e o ponto de chegada, as pessoas ao longo deste percurso possam aproveitar esta carona e integrar as caravanas, viabilizando o transcurso, estimulando o apoio mútuo e a solidariedade entre os coletivos.

Falando em sabor… a ideia é que a alimentação priorize alimentos regionais. Para isso, incentivamos que as enzimas colham e tragam alimentos cultivados pelos grupos de agroecologia (Plante o Sementário) ou destinem parte do que for arrecadado para a compra de alimentos, fazendo contato com os agricultores e produtores da região. Apenas o que faltar, os alimentos frescos, será viabilizado pelos agricultores do Rio. O que acham? Queijo de minas, açaí do Pará, pinhão do Paraná, cacau da Bahia… hum!

————————————

Relatoria do I Sementário:

Sementário da Rede de Grupos de Agroecologia do Brasil (REGA)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s